terça-feira, 21 de abril de 2009

Por Mário Crespo

Notícia é só aquilo que alguém quer esconder

Ontem

A noite de sexta-feira foi frenética nas redacções por todo o país. Às 20 horas, a TVI mostrou a gravação onde Charles Smith é, pela primeira vez, visto e ouvido a descrever um acto de corrupção no licenciamento do Freeport. Um por um, jornais, rádios e TV tentaram obter comentários do gabinete do primeiro-ministro. Tornou-se clara a linha oficial de controlo de estragos dos operadores de média do Governo: nada havia de novo na transmissão da TVI, o primeiro-ministro considerava falsas as afirmações feitas no DVD e tencionava processar quem o tinha difamado.
Com mais ou menos emotividade e calor, os assistentes do primeiro-ministro contactados mostraram também o seu desagrado pelas intenções da Comunicação Social de considerar o DVD da TVI peça importante na cobertura noticiosa do caso Freeport. É de facto muito importante. O DVD do Freeport é o equivalente às gravações do Watergate que fizeram cair Nixon. Foi na consciência disso que, para desgosto dos conselheiros de São Bento, vários órgãos de Informação optaram por reproduzir excertos do scoop da TVI. Outros não. Todos estão no pleno direito de exercer o seu juízo editoral.
Assim, nos dias seguintes, quem passasse os olhos pelos jornais, ouvisse rádio ou seguisse a TV, inevitavelmente seria informado da notícia que a TVI tinha originado. A liberdade de expressão funciona assim, validando-se nesta diversidade de opções que serve o interesse público. O fundamental é que o continue a fazer em total liberdade porque, com os casos do Freeport e do BPN em roda livre e manifestamente longe de uma conclusão, há incógnitas e suspeitas transversais a todo o Estado, e a democracia tem-se vindo a esboroar. Isto não é uma só questão filosófica. É contabilística também. Os economistas sabem projectar os custos da corrupção no quotidiano das dificuldades dos portugueses. Neste mundo do dinheiro público aplica-se muito bem a lei da química de Lavoisier - nada se cria nem se perde, tudo se transforma. O problema está nessa transformação. Se no Freeport ou no BPN alguém fica com dinheiro subtraído aos lucros dos promotores, ele não entra nos impostos e não se transforma em bem-estar social. Os roubos já conhecidos no BPN (mais de dois mil milhões) e os quatro milhões que a Freeport detectou que tinham desaparecido das contas do seu investimento em Portugal deviam ter passado pelo circuito fiscal e ter sido transformados em bem-estar geral nacional. Foi dinheiro do Estado que foi roubado e, se não fosse a Comunicação Social com os seus exageros e exactidões, a sua pluralidade e o seu sectarismo, a sua independência e o seu clubismo fanático, por vezes tudo manifestado na mesma publicação, nada se saberia e o país empobreceria ainda mais depressa. Claro que é preocupante ter a democracia de um Estado dependente de um só sistema, aparentemente tão frágil e anárquico. Mas neste momento é o que nos resta. Entre segredos de justiça e segredos cúmplices, o Estado tem-se vindo a desrespeitar. O DVD do Freeport foi escondido durante anos, ocultando a verdade ou parte dela. Cinco processos judiciais contra jornalistas depois, é conhecido. Nada pode ficar como dantes. Como Bob Woodward disse, "notícia só é aquilo que alguém quer esconder. Tudo o mais é publicidade".
Há demasiada publicidade em Portugal.

3 comentários:

Dexter disse...

Foi interessante ler esta mensagem após ver a entrevista do Primeiro Ministro na RTP1.

" Notícia é só aquilo que alguém quer esconder "
Desde que seja do interesse do jornalista !!

Esse texto é bastante interessante, a arte de bem escrever, onde com um texto bem organizado e uma excelente argumentação se tenta dizer algo bastante inquietante, há quem chame a isso "fazedores de opinião".

Sempre acreditei (ou pretendo acreditar) que o jornalismo é a arte de informar factos , bastante diferente, de criar verdades a partir de suposições e pretensões...

Não pretendo defender ninguém , apenas divagar um pouco no geral.

Só para dar um exemplo , eu lembro-me quando o gasóleo estava o,90 cts e abria-se telejornais, ontem paguei a 0,98 e nenhuma nota... Já não vende , o povo está resignado e... por isso já não é noticia.

E no mundo da bola então... esta fica para ti.

Acho que vou mudar para o axn e ver o csi !!!

Abraço,
Dexter

Dexter disse...

...esqueci-me de comentar a entrevista ao PM.

Foi interessante, mais uma vez , o Homem conseguiu ridicularizar os jornalista e desta vez, de que forma.

Eles estavam mal preparados e a Judite Sousa só faltou chorar e tão enervada que ficou.

Foi um bailinho, e que baile.

Por uns instante fique com a impressão que era o PM que estava a entrevistar os 2 jornalistas.

OK , confesso, a Judite até ficou gira toda nervosa e irritada, com aqueles olhitos inundados de "fluído lacrimal".

Divertiu-me , mas não deixou de ter sido uma perca de tempo, mais uma vez não aprendi nada, mas também não estava a espera

Abraço

Fazendas disse...

Amigo, so o facto de ouvir o nosso PM já me traz nauseas, como tal sempre que ouço a voz do homem, sou impelido a mudar de canal, que foi o que fiz ontem mais uma vez. Para esse figurão basta-me no dia seguinte ler os jornais e apanhar com frases belissimas como a do ... "não tenho jeito para ser coitadinho"... ao jeito de uma qualquer boa stand up comedy perto de si...

Obrigado pelos comments